domingo, 31 de maio de 2020

cine-grafias


cinegrafias no último mes de maio


http://saladeprojecao.cinemateca.pt/autores/



Quando as salas de cinema tiveram de encerrar temporariamente as suas portas, surgiu-nos o
desejo maior de conversar sobre elas e sobre o universo que nelas se concentra.
 Este espaço da plataforma Gestos & Fragmentos é, de todos, o mais livre no
seu desenho e na sua expectativa. Neste caso não há regras de tamanho ou protocolos
 de escrita, e o tema é o da redação livre. Aqui publicaremos memórias, histórias,
reflexões ou simples notas deste novo quotidiano que vivemos, e que, partindo ou não
 do cinema, de algum modo se cruzam com ele. A “sala”, ou a cinemateca
 (ou a ideia de cinemateca…) serão por vezes explicitamente evocadas,
 mas não têm de sê-lo. “Sala” e “projeção” podem ser referidas tanto em
 sentido literal como figurado. Como se verá desde o início, os contributos
 poderão não ser apenas escritos e os pequenos filmes serão bem-vindos.
 E que cada nova participação funcione como desafio a outras, deixando que
 o caminho se faça mesmo caminhando…

domingo, 24 de maio de 2020

22nd Thessaloniki Documentary Festival




22nd Thessaloniki Documentary Festival



Thessaloniki Documentary Festival postponed due to coronavirus ...


Thessaloniki Documentary Festival-online-featured
Postponed earlier this year due to the Coronavirus pandemic, the 22nd Thessaloniki Documentary Festival has announced that it will take place online.
From May 19 to 28, this online edition will screen documentaries representing visual journeys from across the world. Of them, there will be 77 recent Greek productions that examine themes such as human relationships, human rights, politics, music, history, environment, and life. The films are free to stream and capacity is limited to 400 (solely for Greek users. The juries will watch the films online and hand out the awards.
Thessaloniki Documentary Festival hopes to do physical screenings when the situation allows, in accordance with the Ministry of Culture and Sports and medical authorities







sexta-feira, 22 de maio de 2020

LGFF - London Greek Film Festival 2020

Documentaries. LGFF 2020 Semi-Finalist. Trailer.
Between. Dir. by Andre Ben Birken & Takis Panas. Germany, Greece, Portugal.
https://www.youtube.com/watch?v=-f_rUv7X6U0


Ντοκιμαντέρ. LGFF 2020 Ημιτελικός. Τρέιλερ.
Μεταξύ. Οδηγ. από Andre Ben Birken & Takis Panas. Γερμανία, Ελλάδα, Πορτογαλία.
https://www.youtube.com/watch?v=-f_rUv7X6U0



www.londongreekfilmfestival.com

The London Greek Film Festival is annual and provides a welcoming space
to artists, filmmakers, producers, actors, practitioners, academics,
technologists and art-film lovers from all over the world. Started on 2008.

Films and screenplays accepted, from:
Greek Origin Individuals and Production Companies from all over the
world, with no specific subject in their work
(Greek Diaspora & Greek-Cypriots included), or
International Individuals and Production Companies from all
over the world, with film or screenplay related to Greece
(i.e. subject, myths, history or filming in Greece).

The London Greek Film Festival, independent, creative, extrovert
and optimistic, has one essential aim: to become the international
meeting point for Greek film from around the world and to promote
modern Greek film making in all its facets.

Talking about LGFF :

“Whether those [recent Greek films] represent a dawn or twilight for the
country's film-making, will be easier to judge after this event,
which brings a handful of features, shorts and documentaries.” The Guardian

“In the face of adversity, Greek cinema battles on.” Time Out London




Área de anexos

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Panquiaco


IFF Panama - Home | Facebook








IFF PANAMÁ 2020

‘Panquiaco’ y la identidad

Las cineastas Ana Elena Tejera y María Isabel Burnes comparten detalles de ‘Panquiaco’, la película panameña que abrirá este viernes la cartelera ‘online’ del IFF Panamá 2020.
‘Panquiaco’ y la identidad
Cebaldo de León Smith estaba en Portugal cuando se le cruzó la oportunidad de protagonizar una película en su comarca, Guna Yala. Cortesía
Tiempo atrás, Cebaldo se marchó de su natal Guna Yala, para trabajar en tierras lejanas, Portugal,
donde la soledad y nostalgia lo empujan a reencontrarse en un viaje de vuelta a sus raíces.
La historia completa se cuenta en Panquiaco, una de las películas panameñas que integran
 la selección del Festival Internacional de Cine de Panamá (IFF Panamá), ahora adaptado
a internet, ante los límites que se han impuesto en el país para mitigar el impacto
del nuevo coronavirus.
Panquiaco abrirá la cartelera digital del festival el 22 de mayo, a las 6:15 p.m.,
 en www.iffpanama.org y competirá por el premio del público. Tras la función,
 se desarrollará un conversatorio con su directora, Ana Elena Tejera.
El film formó parte de la selección del Festival Internacional de Cine de Rotterdam 2020,
en Países Bajos (Ver cuadro), y ha ganado, previo concurso, premios como el Fondo Cine
 de Panamá en la categoría de largometraje/documental, el Fondo 500 Años y el fondo
centroamericano Primera Mirada, otorgado por la Fundación IFF Panamá y el Banco Interamericano de Desarrollo.

Las creadoras
Dos rostros femeninos destacan en el trabajo detrás de esta producción: Ana Elena Tejera (directora)
y María Isabel Burnes (productora).
Cuentan que el proyecto nació durante una investigación sobre los relatos orales de los pueblos
 indígenas, especialmente en Guna Yala. Y en el estudio de esa sabiduría mística que sobrevive
al paso de las generaciones, destacó la figura de Panquiaco, el hijo del poderoso cacique Comagre,
 responsable, según las crónicas coloniales, de enseñar el camino a Vasco Núñez de Balboa al
Mar del Sur y a nuevas tierras donde podían “saciar su sed de oro”.
‘Panquiaco’ y la identidad
Otra locación de la grabación fue el pueblo de Vila do Conde, en Portugal. Cortesía
Y después de profundizar en Panquiaco, se encontraron con Cebaldo de León Smith, un panameño
 de 60 años que se dedicaba a la pesca en Portugal. Es el hombre que inspiró el personaje homónimo
en el que se centra la película.
El relato audiovisual es ficción, sí, pero con muchos matices de realidad: la añoranza, la soledad,
 el deseo de reencontrarse, la vida en las comunidades de la comarca, los rituales...
Tan real que Cebaldo encarna al Cebaldo de la película. “Él interpreta su propio conflicto,
el conflicto de pertenecer, el conflicto de la identidad y de volver al lugar de origen donde las
memorias del pasado no están. El trabajo, tanto con Cebaldo como con los otros personajes,
requirió tiempo, crear un vínculo con ellos y crear atmósferas que invitaran a las emociones
y sensaciones que buscaban desarrollarse en las escenas”, describe Tejera.
Y, desde su título, la película es también una reivindicación de Panquiaco y todo lo que representa
: “Panquiaco es los pueblos indígenas borrados, Panquiaco son los relatos orales y leyendas
indígenas que no se enseñan en las escuelas, Panquiaco es olvidar el origen mestizo de
Panamá y poner nuestra identidad en Balboa o en Estados Unidos. Panquiaco es la necesidad
de volver al origen de una posición geográfica con una identidad múltiple: china, negra, dule,
 congo, emberá… Es darle un espacio a reflexionar cómo nos afecta e influye ser de un lugar de paso, del lugar de las dos aguas”.
‘Panquiaco’ y la identidad
La historia se filmó en Ustupu, en Guna Yala; y en Campo Laurel, territorio Wounaan en Darién. Cortesía


                    Fonte :  Helkin Guevara in LaPrensa 20.5.2020



O filme pode ser visto on-line no dia 22/5;  23h15 hora de Lisboa no site do festival

www.iffpanama.org






Screenings
Vie, 22 Mayo 2020 - 6:15 pm
Ver Online
Ficha Técnica

Año de producción: 
2020
País: 
Panamá
Idiomas / Language: 
PORTUGUÉS - PORTUGUESE
Duración: 
84 min
Subtítulos: 
Español

Guión: 
Ana Elena Tejera
Dirección de Fotografía: 
Mateo Guzmán Sánchez
Edición: 
Lorenzo Mora, Ariadna Ribas Surís, Ana Elena Tejera
Diseño sonoro: 
Juan Camilo Martínez Idarraga
Reparto: 
Cebaldo De León Smith, Fernando Fernández, Comunidad Campo Laurel, Comunidad de Ustupu, Kinyapiler Johnson González, Kandurguilabaler Morales González, Manuel Salvador Pereira Sencadas
Ana Elena Tejera
Es una directora de cine, performer y actriz panameña. Actualmente es artista residente en Le Fresnoy. Es la creadora y directora artística del Festival de La Memoria, una pieza artística de performance e instalaciones en espacios urbanos recontextualizada con imágenes de archivos políticos. Tejera estrenó su primera película, "Panquiaco" (2020), en el Festival Internacional de Cine de Rotterdam en el Competencia oficial Bright Future.


https://anaelenatejera.com/Panquiaco?fbclid=IwAR0mAnfvDXmn2pD2Gh-ovH_QDNy6S5iLjYaf3iL65m3NZMZ2pkZDlEymDxQ













quarta-feira, 20 de maio de 2020

“Vladimir” de Nuno Bouça

Cinema em Casa | 21h30
Hoje vamos poder assistir ao filme “Vladimir”, de Nuno Bouça
“Vladimir” é um filme inspirado pela pujança artística do marionetista Manuel Dias, criador de um universo singular onde se enaltece, com soberba mestria, a condição humana através da arte da personificação, numa ambiência carregada de magia, cumplicidades e afectos. “Vladimir” nasce a partir de um encontro nada fortuito entre Manuel Dias e o construtor de Vladimir, a marioneta, que viaja entre a Rússia siberiana e Évora, com o objectivo de celebrar a vida e, desse modo, prestar homenagem ao homem real, de carne e osso, um homem capaz de acreditar e sonhar o impossível. O propósito de “Vladimir” vai para além da mera valorização artística, patrimonial e cultural do imaginário das marionetas. “Vladimir” é um chamamento urgente ao reconhecimento de uma arte maior e do seu enorme potencial humano que a envolve. “Vladimir” fez-se não apenas para a salvaguardar do esquecimento mas, fundamentalmente, para homenagear o trabalho virtuoso de Manuel Dias, um obreiro que teima em espalhar a ternura.
É Neste País Associação Cultural | Produção: Carla Magro Dias | Marionetista: Manuel Costa Dias | Voz: Amélia Muge | Música: Filipe Raposo | Realização e Fotografia: Nuno Bouça | Montagem: Ana Bossa | Captação de voz e misturas: A. José Martins | Captação de som: Yoann Crochet | Design Gráfico: Joana Dias
ΣΗΜΕΡΑ ΣΤΙΣ 9:30 Μ.Μ.
Vladimir

segunda-feira, 18 de maio de 2020

Europa Film Fest





Europa Film Fest: oito filmes europeus gratuitos em VoD



EUROPA FILM FEST é uma iniciativa promovida pela Comissão Europeia em Portugal e
Filmin Portugal, que conta com a colaboração do Parlamento Europeu em Portugal,
 do Desk do Programa Europa Criativa MEDIA, e de alguns dos principais distribuidores
 de cinema independente e europeu em Portugal: Alambique, Legendmain, Midas,
 O Som e a Fúria, Outsider e Risi Film.



Europa Film Fest resulta de uma parceria entre a Comissão Europeia, o Parlamento Europeu em Portugal e a Filmin Portugal e é uma mostra gratuita de filmes europeus na plataforma de VoD
mustang
Entre 15 a 21 de maio estarão disponíveis na plataforma, oito filmes: 
Deus Existe, o Seu Nome é Petrunya de Teona Strugar Mitevska – Galardoado com o prémio LUX 2019. Uma peça irreverente sobre a afirmação feminina, por fim acessível em território nacional.
Toni Erdman de Maren Ade – Grande vencedor dos European Film Awards, conta também com duas nomeações a Melhor Filme Estrangeiro nos Globos de Ouro e Oscars. Comédia dotada de extrema sensibilidade, dualmente irrisória e humana.
Mustang de Deniz Gamze Ergüven – Considerado um dos filmes do ano em 2015 e ao qual foram atribuídos inúmeros prémios e nomeações. Apelidado de "As Virgens Suícidas" turco, a história de cinco irmãs contra o mundo.
Ida de Paweł Pawlikowski – Vencedor do título de Melhor Filme Estrangeiro de 2013 em várias cerimónias, entre as quais, Oscars, Prémios Goya e BAFTA. De um dos mais brilhantes realizadores europeus, um inesquecível ensaio a preto e branco sobre uma jovem judia na Polónia de 1962.
Ciclo Interrompido de Felix Van Groeningen – De 2012, também indicado para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e vencedor nos Prémios César e LUX, um assombroso milagre belga em forma de drama musical.
O Fantasma da Sicília de Fabio Grassadonia, Antonio Piazza – Filme que abriu a semana da Crítica no Festival de Cannes 2017, um conto inexplicavelmente encantado, onde o primeiro amor e o buraco negro que é a máfia italiana se entrelaçam.
Cartas da Guerra de Ivo M. Ferreira – Um dos filmes portugueses mais aclamado da última década. A respeito do colonialismo, tendo como centro um casal separado pela guerra, sem escolha a não ser unir-se através da palavra escrita.
O objectivo deste Festival é celebrar os 70 anos dos primeiros passos dados para a criação a União Europeia: um espaço comum de liberdade criativa, que apoia a sétima arte e encoraja os seus criadores, nomeadamente no âmbito do Programa Europa Criativa - www.europacriativa.eu



PARTI




unnamed

Cinema iraniano




Asghar Farhadi: "a maioria dos espectadores quer entretenimento e não aprender»



Asghar Farhadi: "a maioria dos espectadores quer entretenimento e não aprender»
A esta altura todos sabem quem é Asghar Farhadi, o cineasta iraniano mais celebrado da atualidade, que encontrou em Espanha o lugar perfeito para recitar o seu cinema de relações e moralidades. Com Javier Bardem e Penélope Cruz como cabeças de cartaz, Todos lo Saben corresponde a um segredo que vai abalar toda uma família que ao mesmo tempo tenta lidar com uma situação de rapto.
O cruzamento de drama e thriller, ao jeito do realizador, teve as honras de abrir a última edição do Festival de Cannes, apesar da crítica ter sido no geral fria. A receção imprevista não impede o otimismo de Farhadi, que após uma passagem no FEST, na cidade de Espinho, conversou com o C7nema sobre alguns dos temas quentes do seu cinema: politica, censura, manifestos e Netflix, ingredientes para mais uma trama farhadiana.
Filmou Todos Lo Saben em Espanha, porém, o que deparamos é que é uma história que poderia se passar no Irão.
Se eu quisesse filmar esta história no Irão, seria ligeiramente diferente. Mas sim, poderia acontecer aí. Contudo, este filme foi um desafio no sentido em que tive que entender e consciencializar uma cultura que não era a minha, de forma ao enredo ser o mais culturalmente coerente possível.
Mas foi difícil conceber um filme num país que não é o seu? Como lidou com a divergência cultural?
No inicio foi difícil, porque toda esta etapa fazia lembrar uma piscina, para a qual saltava e tentava atingir o fundo. Quando comecei, foi bastante árduo, porque obviamente não é a tua língua, nem sequer a tua cultura ou quotidiano que se encontravam à tua frente. Tive que encarar isso, por isso trabalhava constantemente com a minha equipa e todas as vezes  lembro-me de exclamar: “é um desafio, mas não é impossível”. A língua e a cultura não são problemas, são desafios.
O que estava mais hesitante era acerca do resultado disto. Como um iraniano a fazer um filme ocidental é um afastamento completo de tudo aquilo que me era próprio. Durante a estreia de Cannes muitos me disseram que o filme estava perfeitamente ciente do panorama espanhol. O grande senão para estas pessoas era mesmo o meu nome. Eles acreditam que para fazer filmes espanhóis é preciso sê-lo na realidade. Porém, uma coisa é certa, quando se vai para outro país e se concebe um filme lá, essa “realidade” não será 100% fiel, porque esta não me é próxima. O que invocamos são as similaridades destas mesmas realidades e exprimimos isso na ficção.


Todos lo Saben

Ou seja, existem parecenças entre a cultura espanhola e a iraniana?
Quando imaginamos outras culturas sem ser a nossa, essa idealização é realmente muito diferente do que realmente acontece. Só quando estamos em contacto com estas culturas é que percebemos as diferenças, sobretudo a nível emocional.
Porém, o amor tem sempre a mesma face, conforme seja a cultura a que pertence, assim como o ódio. Mas voltando ao amor, e tendo em conta as diferentes vertentes que estão presentes na relação de um casal ou entre uma mãe e um filho, mesmo diferentes eles têm a mesma correspondência em lugares diferentes. Mas é na expressão e na exposição desses sentimentos que encontramos as diferenças culturais.
No meu país, por exemplo, pais e filhos constantemente debatem-se antes de mostrar qualquer sentimento. Possivelmente, no Japão nem sequer tocam-se.
A maneira de se expressarem é diferente, por isso tentei focar a maneira de como se relacionam ao invés do por que se relacionam.
O que afirmou na masterclass do FEST é que o Cinema iraniano é muito vasto, mas nós [ocidentais] conhecemos uma pequena porção. O que chega a nós é sobretudo um cinema politico, porém, o seu cinema está fora desse território, até porque você é um cineasta ligado à moralidade ao invés da politica.
Penso que se o teu objeto fílmico é sobre as pessoas e as sociedades a que correspondem - por detrás do aspeto politico – até temos que abordar a moralidade. Não quero ser um cineasta politico, porque não dialogo diretamente com a politica, até porque não é essa a minha função enquanto realizador. Já sobre a moralidade, isso sim, é do meu respeito.
Procuro algo que me diga que isto é certo ou é moralmente errado. Não sabemos como o calcular, por isso é que os meus filmes são acerca de dilemas. Como o caso de “o filho tem razão”, mas questionamos o porquê dessa razão e assim passamos ao campo moral das coisas.
Mas eu não embarco nos filmes como incentivo para criar situações morais, apenas descrevo-os e deixo o espectador ir em direção ao território-moral.
Mas o Cinema pode ser politico?
Sim, no bom e no mau sentido. Por exemplo, existem muitos filmes vindos dos EUA que servem como armas. Eles destroem culturas e outras sociedades. Isso não são verdadeiros filmes, são armas de destruição. Não chamo a isso Cinema, mas sim de negócio.
O Cinema povoa imensos territórios; culturais, morais e psicológicos. No caso do espectador se interessar pela politica, então é verdade que verá todos esses filmes nesse prisma.
Quando fazia o Todos lo Saben em Espanha, um dos produtores questionou-me se pesquisei a situação politica do país e eu respondi que li alguns livros sobre Franco e afins. Ele referiu que o filme que fiz seria considerado um filme politico sob a perspetiva espanhola. Respondi que não, apenas descrevi o quotidiano daquelas personagens. Ele, como pensou politicamente, encontrou isso naquela história.


Asghar Farhadi em masterclass no FEST l Foto.: Cecilia Melo

É por isso que se recusa a fazer manifestos com os seus filmes?
Sim, é uma das razões. Se eu fizesse um filme e produzisse um manifesto para o acompanhar, dentro de 15, 20 anos, essa mensagem perder-se-ia por outras gerações e  os países não obteriam esse mesmo manifesto. Os filmed são sobretudo obras do foro emocional, eles fazem-nos felizes ou fazem-nos tristes, e por vezes encontram o seu lugar no meio. Se um filme não causar felicidade ou tristeza, pouco tempo depois morre. Mas se esse sentimento, feliz ou não, nos leva a pensar na temática da obra, então o filme viverá para toda a eternidade, e sobretudo o espectador encontrará a mensagem do filme. Nunca o encontraremos através dos manifestos. O Cinema é sobre a Humanidade.
Como afirma, a politica é sobretudo perspetiva. Relembro que na altura de Uma Separação, vários grupos afirmavam que era um filme que incitava a imigração no Irão.
Nem todas as pessoas do meu país, mas aquelas que têm relações com os órgãos governamentais ou que se identificam com tais doutrinas é que encontram e procuram os filmes algum tipo de mensagem.
Mas concorda que existe uma espécie de pressão para que cineastas do Médio Oriente façam cinema político?
Sim. Talvez isso não aconteça com o vosso país ou até mesmo Espanha, mas em França, nos países da Escandinávia, nos Estados Unidos, eles veem o realizador do Médio Oriente como alguém que está passar informação à audiência do que realmente acontece nesses países. Mas tal não é o nosso trabalho. Muitos não conseguem encarar que muitos realizadores desses locais apenas querem fazer filmes, pois realmente adoram Cinema, não para denunciar ou informar. Se querem isso, basta ir ao Google. Por vezes, isso torna-se mesmo incómodo.
Obviamente que com isto não estou a insinuar que não fazemos cinema político, o que acontece é que muitas vezes quem vê os filmes não possui o conhecimento do que se passa naquele país e espera que nós confirmemos o que os Media constantemente transmitem.


Uma Separação (2011)

E foi por isso que decidiu fazer este filme, para não ter relações com o Irão? Visto que o O Passado mantinha essas ligações.
Sim, esse foi um dos motivos pelo qual quis fazer Todos Lo Saben na Espanha, foi para ver a reação do público, visto estar a fazer um filme sem ligação alguma ao Irão. É costume fazerem-me sempre imensas questões politicas sobre o Irão. É aborrecido, porque eu quero falar de cinema e tenho de abordar politica. Mas felizmente as questões sobre cinema já estão a ser feitas, graças a este filme espanhol.
Mas muitos festivais têm utilizado essa “politica” nos filmes iraniano de forma a promoverem-se. Relembro Jafar Panahi, cineasta que está proibido de fazer filmes mas que ao mesmo tempo os faz, e possivelmente realiza mais que muitos realizadores em liberdade. A verdade é que quando um dos seus filmes é selecionado, surge toda uma promoção ao filme – “o realizador que resiste” – e do festival.
Nem todos os festivais, mas sim, alguns fazem isso. O que importa para estes eventos nem é a questão politica dos filmes, é o facto de terem em sua posse “hot news” (notícias quentes), e com isso a atenção dos espectadores e da imprensa.
Jafar é meu amigo e ele tenta fazer amigos, apesar das proibições, porque também ama o Cinema.  
E quanto à censura? Alguma vez sofreu com isso no seu país?
Referes a cortes ou impedimentos?
Sim.
Deste jeito não. E atenção, eu não os conheço [comité de censura]. Mas quem quer fazer filmes, tem de enviar algumas páginas do guião ao comité.
A parte boa é que este comité, para além de ser integrado por pessoas do Governo, é também constituído por pessoas que trabalham na indústria de cinema, como realizadores,  os quais tentam facilitar a nossa vida. No caso do cinema comercial, eles não se preocupam, mas sim com alguns poucos filmes vindos de realizadores que querem realmente passar uma mensagem.
Quando nasceste e cresceste lá, sempre acabas por arranjar uma maneira de contornar a censura. Não digo com isto, que esta atitude nos ajuda.
Mas essa atitude alguma vez afetou um filme seu?
Sim, porque acabamos por criar dentro de nós uma autocensura, mesmo que não me aperceba disso.


O Passado (2013)
Os seus filmes remetem sobretudo a mal-entendidos, tal poderá ser encarado como uma metáfora ao estado do Mundo?
Sim, é um grande problema atualmente, não só no meu país mas em todo o Mundo. Hoje, por mais tecnologia que temos a nosso dispor, e refiro obviamente o papel das redes sociais, nós não nos conseguimos entender uns aos outros. Falamos muito e até demasiado, mas não dialogamos. Não nos entendemos.
Ou seja, é um problema de comunicação?
Sim, ou porque não queremos, ou é a nossa língua que não nos permite. Por vezes queremos nos expressar emocionalmente, mas não conseguimos descrevê-lo por palavras. Hoje em dia, o nosso Mundo tem esse grande problema: não comunicamos, seja entre culturas, pessoas ou até mesmo casais.
Constantemente menciona Bergman e, deixe-me aqui fazer um reparo, em certa maneira você tem algo em comum com o cineasta sueco. Ambos oscilam entre peças de teatro e Cinema. Na masterclass, Farhadi referiu que o Teatro aproxima-se cada vez mais do Cinema e assim perde a sua identidade. A minha questão é: como faz para evitar esse contágio?
Quando trabalhava em peças, sabia que havia um problema comigo. Amo o Cinema e quando escrevia peças, escrevia como fossem guiões cinematográficos. E isso acontece com imensas peças de teatro.
No meu caso, esse problema fez com que não conseguisse mais fazer teatro. Não consigo pensar teatralmente, mas sim cinematograficamente.
E o oposto? Será que resulta? Pergunto porque no seu O Vendedor, o Farhadi trabalhava com ambos os territórios.
Sim, funciona. Até porque o Teatro e o Cinema têm uma conexão. Em O Vendedor abordei a peça de Arthur Miller de forma a demonstrar essa ligação entre os dois territórios. Diria que é uma ligação amigável, mas nos meus filmes há acima de tudo uma separação, porque aquilo que evidenciamos no ecrã, passando pelos movimentos dos atores, é Cinema. Tento injetar vida neles, separá-los do Teatro.
Voltando à masterclass, falou que se pelo menos dois espectadores saírem de uma peça, esta é um fracasso. O mesmo acontece num filme. Por isso, para si, o Cinema é sobretudo uma questão de consenso?
O que disse foi que o primeiro objetivo de uma peça ou de um filme é colocar o espectador sentado no seu lugar a assisti-lo até ao fim. Se o espectador se desinteressa ou sai do respetivo espetáculo, nós perdemos.
Mas existem duas maneiras diferentes. No teatro, para agarrar o espectador não é preciso grandes enfases dramáticas ou acelerar o ritmo. Porquê? Porque as pessoas que vão ao teatro são pacientes, têm mais tempo nas mãos. Eles vieram ao teatro para aprender. Já no cinema, a maioria dos espectadores querem entretenimento e não aprender. São dois trabalhos distintos.
Quando era mais novo não pensava nisto, mas hoje em dia reflito o quanto posso fazer no Cinema para manter o espectador sentado. A TV e as suas séries alteraram o gosto espectador, eles querem algo mais frenético no cinema e isso tem-se tornado num obstáculo. Reparamos isso no tipo de produção atual. Se metermos estes espectadores a assistirem a filmes do passado, de um cineasta nipónico, ou do Ford, ou Truffaut, eles questionam a cadência rítmica. Não é acelerado o suficiente, e isso tem como culpado o universo das séries e o modo de vê-las.
E o que pensa deste boom televisivo que estamos a testemunhar?
Sei que a Netflix e a Amazon estão a produzir cada vez mais conteúdos televisivos, e por vezes gosto de ver, mas sei que isto está a matar o Cinema, pelo menos a nossa forma de ver Cinema. Porque quando vemos uma série, não temos o tempo necessário para refletir sobre ela, sobre as personagens e situações. Em Cinema, temos acesso a esse espaço e tempo. Até porque quando o filme termina, o espectador leva-o com ele.


O Vendedor (2016)
E em relação à Netflix? Alguma vez lhe propuseram algum projeto?
Sim, fizeram em Espanha. Queriam produzir o Todos Lo Saben, mas eu respondi que não. Isto é Cinema, se alguma quiser fazer uma série ou televisão recorro a eles. A questão é que pretendia que o meu filme fosse visto em grande ecrã como é habitual no Cinema. No caso da Netflix não teria problemas de orçamento, mas confiava nos meus produtores porque tinha a visão de ver o meu trabalho numa sala de cinema e não num pequeno monitor.
Tenho conhecimento que ainda existem muitos cineastas que resistem a isto.
Devido a Todos Lo Saben, viveu durante algum tempo em Espanha, que é o nosso país vizinho. Alguma vez veio a Portugal?
Estive uns dias na cidade do Porto num festival, penso que foi há 10 anos, mas nós iranianos estamos familiarizados com este país até por causa de Carlos Queiroz [risos] Ele é quase um iraniano, ele é inteligente e respeitoso com todos e conhece muito bem o país … e também o Cinema. Quando recebi o prémio nos Óscares, ele enviou-me uma mensagem nas redes sociais a dar-me os parabéns. E claro, o Cristiano Ronaldo também é muito famoso. [risos]
Autor: Hugo GomesFonte: C7nema   (Fevereiro  2019)